Sambaquis ("samba" = concha; "qui" = monte), são montes de conchas que foram acumuladas por muitos anos, não pela natureza, mas por antigos habitantes do local; provavelmente grupo de nômades.

Os acúmulos dos montes de conchas são resultados das atividades diárias dos antigos habitantes, o homem sambaqui - termo usado para identificação do grupo humano que tinham o costume de depositar restos usados de seu dia-a-dia em um único lugar. Alimentavam-se de peixes, moluscos e crustáceos, portanto sua sobrevivência dependia basicamente de alimentos apanhados no estuário, viviam em grupos e não eram antropófagos, fabricavam seus próprios artefatos da pedra e de ossos, seus dentes eram seu principal instrumento de trabalho. Por serem muito primitivos, não conheciam técnicas de cultivo (agricultura).

Os sambaquis são encontrados em toda extensão do lagamar, nestes montes são encontrados restos de sepultamento, ossos de animais, utensílios de pedra lascada e adornos.

Atualmente a maioria dos sambaquis que existiam na costa brasileira não foram conservados e protegidos, mas acabaram virando fertilizantes. Em Cananéia, foram usados materiais retirado do sambaqui para a construção dos antigos casarios, um belo conjunto arquitetônico histórico, mas hoje esses sambaquis estão expressamente protegidos e naturalmente conservados em seu devido lugar.

 

Obs. Estima-se que o Homem Sambaqui ocupou esta região entre 4.000 anos A.C. até 1.000 anos de nossa era, um verdadeiro marco pré-histórico.

 

Adaptação: Gilson Aguiar